Pesquisar este blog

segunda-feira, novembro 20, 2017

São Paulo - Interior



Ainda que o homem destrua a natureza; ela se expõe e resiste.
Cuidado, palavra rara hoje na humanidade.
Homens zumbis.

terça-feira, outubro 10, 2017

Unidos para transformar o mundo

 Unidos pensando em como transformar o mundo. Projetos, projetos  e escritas. Desenhos, músicas, Hermenêutica e vamos em frente.
Referêncial: Bourdieu.


segunda-feira, outubro 09, 2017

Bricolagem







Eu brincando de artista com o Vincent...


A captura do eu...

sábado, setembro 02, 2017

O Facebook

O Facebook é um lugar de narrativas. As narrativas ocorrem de diversas formas. O que me chama atenção é - às pesquisas nacionais e internacionais destacam que, as pessoas estão cada vez mais sentindo-se deprimidas, consomem anti-depressivos, há o aumento do suicídio e assim por diante. Todavia, quando entramos no Facebook temos uma ilha dos prazeres. Há postagens de todos os tipos de felicidades. Pessoas discursando suas felicidades. De fotografias "selfs" à belíssimos lugares como se o mundo estivesse no paraíso. 

A construção Paradisíaca do Facebook contradiz a realidade. Fico me perguntando: Qual o motivo dessa "nova" construção do real? No momento em que o sujeito senta na frente do Facebook ele está construindo um mundo o qual gostaria de viver; ou está tratando sua dor? Para quem são postadas as mensagens no Facebook? Há outros questionamentos; todavia fico nestes.

Alguns podem achar essa conversa como blá blá blá. No entanto, falo de minha própria experiência que faço diálogos com algumas pessoas, que na realidade estão em frangalhos. Contudo, ao passar por seus espaços no Facebook lá a vida é maravilhosa. Há pessoas que dizem ser marxistas "de nascimento", mas nas atitudes cotidianas são mais mercenários que o dono da maior empresa mundial. Pessoas que afirmam marxistas e fazem do espaço público um espaço privado, meritocrático. Vivemos uma contradição. Diante de tantas incoerências, me pergunto, que mundo estamos construindo, aonde vamos chegar.

São reflexões que não querem se calar. Minha atitude frente ao Facebook e a vida contraditória são - não postar nada no Facebook e investigar o sofrimento psíquico que está assolando às pessoas que chegam em massa na Atenção Primária à Saúde.

quarta-feira, julho 26, 2017

RACISMO: atravessando o tempo

O racismo é uma prática silenciosa, as vezes, expressado em palavras. Pessoas de pele negra são àquelas que mais sofrem com o racismo. É convencional achar que o racismo parte apenas dos diferentes. Isto é, da pessoa branca. Todavia, há também o racismo proveniente de negro/as para com negro/as. Esse fato ocorre, principalmente, das pessoas negras que se envolvem com brancos e sentem-se "superiores". Pode ser que a pessoa que venha a ler essa mensagem não entenda. Para tanto, esclarecerei.

Existe uma "lenda" que a pessoa negra ao se relacionar com o branco está conseguindo uma mobilidade social. Essa "lenda", "mito" ou seja lá o que queira chamar paira na mente de alguns homens e mulheres negros. Mas por que isso ocorre? Acredito ser uma construção social imposta pelos brancos. Mas será que há mesmo essa mobilidade social?

Negros que se deslocam para os países "embranquecidos", considerados "primeiro mundo", geralmente, procuram se relacionar com brancos a fim de obter inclusão social. Essa foi uma afirmativa que eu mesma ouvi. Que inclusão social? Eu não sei a resposta.

Dialogando com um sociólogo ele me afirmou "essas pessoas são cooptadas pelo capitalismo e suas ideologias". Para ele, dificilmente, essa pessoa consiga se dar conta do problema social que ela e seus pares enfrentam. 

Toda essa narração, para colocar o vídeo de Angela Davis e levar o leitor a pensar sobre suas reflexões e perguntas em sua apresentação. Por que os homens negros são violentos para com suas parceiras negras? De onde vêm essa violência? Como trabalhar a violência tanto verbal como física do homem branco para com a mulher branca?  As perguntas me inquietaram, pelo fato de haver sofrido agressões verbais de um homem negro, bem próximo.

Abaixo discurso de Angela Davis. Vale a pena escutar pelo menos à partir da 01 hora do vídeo. 



terça-feira, julho 11, 2017

Das Lied der Nacht


The Song of the Night

José Gallisa
Atualmente,tem se dedicado atuação teatral.


quinta-feira, julho 06, 2017

Sem título

Modernidade para alguns prisões para outros.
Os negros estão nas prisões, ou
matando um ao outro.
Os que sobressaíram-se
negaram suas raízes e, confortavelmente,
foram deitar-se com mulheres brancas,
buscando a inclusão...

Que inclusão?
Inclusão nas citações.
Citam-os que eles venceram.
Venceram por embranquecer-se.
A mulher ao lado se autodenomina - mussarela.
Pensa ela, ser ele faminto com desejo de comê-la
como um queijo amanhecido.